domingo, 24 de abril de 2011

Coração



E então, tal qual rocha permanente junto ao mar, cá estou eu... Permaneço impávida naquilo que é a minha vida...
Um grão de esperança deambula entre minhas mãos, a esperança daquilo que virá no futuro, de que terei direito a ser um pouco mais feliz, o que não quer dizer que não me sinta agradecida por ter chegado onde cheguei...
Um obrigada a Deus por me proteger, e afastar da minha vida pessoas negativas, e aproximar o oposto.
Olho-me ao espelho, hoje sou mulher, já não sou criança, não estou sujeita aos caprichos de quem mal me quer e sou dona e senhora do meu nariz.... mas não do meu coração... É selvagem, e parte deixando-me sozinha, parte para o passado e chora, parte para aquele que não posso ter e chora, parte para o que há-de amar e chora, parte para os nascimentos dos meus irmãos e chora... ou de tristeza ou de alegria... eu não comando o coração... ele manda em mim, ele decide o meu caminho, ele trouxe-me até aqui, ele é o meu guia eterno... espero... ter de o negar será minha morte, morrer não é fechar os olhos para sempre, morrer é deixar de o sentir... morrer é matar quem sou...deixando o corpo vazio entregue aos lobos... mas não largo o meu coração, que tenho um anjo que mo traz, que mo apresenta vezes sem conta... 


Sem comentários:

Enviar um comentário