domingo, 9 de junho de 2013

Lua de esperança

Hoje no interior do meu ser, caminho rumo ao cume da minha montanha, com uma candeia na mão, em camisa de noite, pois a alma quer dormir. Sigo os trilhos por entre a vegetação, sigo olhando em volta, no meu céu as estrelas brilham, a lua baixa parece inundar a terra com luz.
Á medida que vou andando, passo a passo, ouço gargalhar, eco de recordações, de gargalhadas, de falas paradas no tempo, preservadas por cristais da minha essência.
Hoje se me procurarem, não estou, encontro-me em viajem para dentro de mim, tenho de subir aquela montanha, tocar na lua, dizer-lhe que não a abandonei, continuo a plantar juncos junto ao lago para que possa brincar, continuo a deixar que os grilos lhe cantem, continuo a ter-lhe muito em conta. Pois a lua, por mais escura que seja a noite, brilha e ilumina o meu ser, graças a ela encontro sempre o meu caminho para casa, em segurança, triunfante. A lua de luz de esperança, aquela que trago sempre dentro de mim.... a esperança que é a lua, que ilumina a noite que esta em mim...  

            

2 comentários:

  1. É a primeira vez que aqui entro, mas as vezes por acaso temos sorte lol, reparei que tu escreves em forma "livre" e um tanto quanto "abstracta" no entanto, com as ideias chaves, assim como um pouco "codificado". Gostei, gostei imenso, precisamos é de pessoas que apostem mais naquilo que lhes vai na alma.

    ResponderEliminar